página principal Américas Argentina Estudando no Exterior – Buenos Aires (Argentina)

Estudando no Exterior – Buenos Aires (Argentina)

Depois de contar a minha experiência sobre trabalho no exterior, agora venho aqui falar sobre uma outra experiência fora: estudo.

Eu tive duas oportunidades de estudar no exterior, ambas nas Américas – em Buenos Aires (Argentina) e Montreal (Canadá). E é uma experiência que recomendo pra todo mundo.

Como minhas experi̻ncias de estudos foram diferentes, vou dividir em duas postagens Рuma sobre cada cidade. Vou come̤ar sobre a primeira experi̻ncia que tive.

Estudando em Buenos Aires

Buenos Aires, Argentina

Depois de viajar a primeira vez, a gente descobre que é bom e quer sempre mais. E eu me dei conta disso quando voltei de Orlando em fevereiro de 2006 e em dezembro do mesmo ano eu já estava louca pra pegar um avião de novo.

Decidi que queria ir para Buenos Aires bem repentinamente. Entre a ideia inicial e o embarque, se passaram pouco menos de três meses.

Sempre tive vontade de estudar fora, e sem querer encontrei um site com preços ótimos para estudar duas semanas de espanhol na capital portenha. Procurei outras fontes para comparar preço, mas sempre encontrava mais caro, para estudar na mesma escola que tinha visto. Isso era final de janeiro. No começo de fevereiro fechamos o contrato diretamente com a escola, e no começo de março embarquei.

Eu ficaria duas semanas em Buenos Aires, estudando quatro horas por dia e morando numa residência estudantil. Depois da Disney, eu já estava calejada.

Chegamos na cidade em um domingo, e as aulas começariam na segunda. Como não tinha diferença nenhuma de fuso, foi tranquilo se acostumar com o lugar.

Estudando em Buenos Aires

Pegamos um táxi até a nossa residência, que ficava bem em frente à praça do Congreso de Buenos Aires. Como estava com uma amiga, dividimos o quarto, que tinha banheiro dentro (suíte) e uma janela, porque pedimos na reserva. Para os quartos que não eram suíte, tinham dois banheiros na casa – um masculino e um feminino. Achei isso bem legal, porque mulher e homem tem hábitos de higiene bem diferente 🙂

Na casa também tinha uma sala de TV (bem grande!), uma sala de estar com som e uma mesa gigante com cadeiras, e também uma cozinha. Todas essas áreas eram compartilhadas entre todos os moradores da casa. que era um misto de europeus e brasileiros. Todo mundo ali tinha que se comunicar em espanhol, afinal falar holandês era meio impossível para a gente ahaha.

No primeiro dia de aula fizemos o pagamento do curso, conforme indicado por e-mail. Fizemos também um teste de nível para atestar em qual turma entraríamos. O material já estava incluso no valor da matrícula, e por isso foi só levar papel e caneta no primeiro dia.

Estudei na COINED, uma escola que gostei bastante. A minha classe era um misto de holandeses e brasileiros. Aprendi demais, principalmente na fluência, que eu era meio travada. Duas semanas me ajudaram muito, e o curso cumpriu exatamente as minhas expectativas.

Isso foi em 2007, e a cidade não era uma “extensão do Brasil”, como é hoje. Aliás, lá tinha pouco brasileiro; a maioria eram estudantes de escolas de idiomas ou de universidades. Turistas mesmos eram pouco, e espanhol era o que mais se ouvia nas ruas. Hoje até os argentinos falam “portunhol”.

Hoje, depois ter voltado a Buenos Aires algumas vezes, não indicaria a cidade para quem está interessado aprender espanhol. Amo a cidade, mas hoje você encontra mais brasileiros do que argentinos pelas ruas. E você se deslocar e gastar dinheiro para não aprender tudo que poderia eu não acho que compense. Mas essa é minha opinião. Uma boa opção é Mendoza, Córdoba ou até mesmo Bariloche (mas fora de temporada!).

Espero que tenham gostado, em breve tem mais post aqui sobre Montreal!

Gostou do conteúdo?

Receba nossas novidades!

Não se preocupe, a gente também odeia spam!

Paulista e Paulistana, sou louca por viagens, fotos, moda, sapatos e compras. Já carimbei o passaporte em 15 países, e estou sempre de malas prontas para viajar. Também escrevo no Dani Polis.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *